As Piores Invenções da história, de Eric Chaline

As pessoas referidas neste livro propuseram-se mudar o mundo com a sua nova descoberta ou invenção. Na melhor das hipóteses, falharam monumentalmente; na pior, mudaram o mundo de uma forma que ninguém lhes agradecerá.


As Piores Invenções da História é um olhar divertido sobre os fracassos de inventores célebres e pioneiros menos conhecidos (por um bom motivo).


O livro inclui o sobretudo paraquedas (o seu inventor saltou da Torre Eiffel para demonstrá-lo e mergulhou para amorte), a locomotiva de Trevithick (demasiado pesada para os carris e partiu-os) e cães antitanque soviéticos (com minas amarradas no dorso, voltaram-se contra os seus proprietários e fizeram explodir uma divisão inteira do Exército Vermelho).


Um compêndio de disparates, As Piores Invenções da História fornece um aviso claro: é muito fácil entrar para a História como um idiota!


«Se este livro tem algum objetivo, será o de o levar a refletir sobre o brilhantismo, o heroísmo, a criatividade, a estupidez cega, a teimosia, a credulidade, a ganância e a autodestrutividade que caracterizam a raça humana em toda a sua capacidade criativa.»

COMPRAR na WOOK

COMPRAR na BERTRAND

SOBRE O AUTOR:

Eric Chaline é jornalista e escritor especializado em história, filosofia e religião. Formado pela Universidade de Cambridge e pela Escola de Estudos Africanos e Orientais, em Londres, foi editor da Kodansha Publishers.


Nalguns livros da sua autoria podem encontrar-se títulos como Artes Marciais para Fitness e Tai Chi para Mente, Corpo e Espírito, já traduzidos para vários idiomas.


Mais recentemente, publicou títulos sobre filosofia, como O Livro do Zen, e também sobre História, entre eles, As Piores Invenções da História e as Piores Deceções da História. Eric Chaline atualmente vive e trabalha em Londres.

Author: Sílvia Reis

Professora de Inglês e Alemão e tradutora é, hoje em dia, mãe a tempo inteiro e trabalhadora multi-funções em part-time. O pouco, muito pouco, tempo livre que lhe resta, é utilizado para ler. Podem segui-la no Blog O Dia da Liberdade, no facebook e no instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *