BOM SENSO E BOM GOSTO, ANTERO DE QUENTAL

CARTA AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR ANTÓNIO FELICIANO DE CASTILHO, O TEXTO QUE TRANSPORTOU A LITERATURA PORTUGUESA PARA A MODERNIDADE

Bom Senso e Bom Gosto está na origem da nossa ainda hoje maior polémica literária: «a Questão Coimbrã». Em resposta ao então afamado António Feliciano de Castilho – que, sentindo a velha ordem cultural sob perigo iminente, lhe ridicularizou acintosamente as Odes Modernas –, Antero de Quental publica o violentíssimo folheto Bom Senso e Bom Gosto: Carta ao ex.mo senhor António Feliciano de Castilho. Nele, arrasa o ultra‑romantismo piegas de Castilho e seus acólitos, a sua arrogância e vacuidade, a sua impostura. A «Questão Coimbrã» tomou proporções gigantescas e, perante as acusações falsas e injustas que lhe eram dirigidas, Antero escreveu um segundo folheto: A Dignidade das Letras e as Literaturas Oficiais.

COMPRAR na WOOK

COMPRAR na BERTRAND

Reunidos neste novo volume da colecção dedicada a Antero de Quental, os dois revolucionários folhetos são agora magistralmente apresentados por Ana Maria Almeida Martins.

«Acabo de ler um escrito de v. ex.a, onde, a propósito de faltas de bom senso e de bom gosto, se fala com áspera censura da chamada escola literária de Coimbra […] Quem move estes ridículos combates de frases é a vaidade ferida dos mestres e dos pontífices; é o espírito de rotina violentamente incomodado por mãos rudes e inconvenientes; é a banalidade que quer dormir sossegada no seu leito de ninharias. […] A escola de Coimbra cometeu efectivamente alguma coisa pior de que um crime — cometeu uma grande falta: quis inovar […] Os versos de v. ex.a não têm ideal — mas começam por letra pequena. As suas críticas não têm ideias — mas têm palavras quantas bastem para um dicionário de sinónimos […] Mas, ex.mo sr., será possível viver sem ideias? Esta é que é a grande questão […]. A futilidade num velho desgosta-me tanto como a gravidade numa criança.»
Antero de Quental, Bom Senso e Bom Gosto

Author: Sílvia Reis

Professora de Inglês e Alemão e tradutora é, hoje em dia, mãe a tempo inteiro e trabalhadora multi-funções em part-time. O pouco, muito pouco, tempo livre que lhe resta, é utilizado para ler. Podem segui-la no Blog O Dia da Liberdade, no facebook e no instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *