Memórias de um Craque, de Fernando Assis Pacheco

O futebol não tem muitos mistérios: uns toques de joelhos, umas fintas, a alegria de um golo. Já o mistério da infância não tem fim, e sobre ele escreveu como ninguém Fernando Assis Pacheco, o craque que era «o maior da Rua Guerra Junqueiro», nestas 30 crónicas publicadas ao sábado pelo jornal Record em 1972, entretanto tornadas icónicas.

«Se a obra lírica de um poeta é uma longa ficção interior com uma única e solitária personagem, talvez estas crónicas devam ser incluídas na obra poética de Fernando Assis Pacheco. Com essa obra partilham, aliás, como qualquer recenseador de serviço facilmente reparará, o tom conversado e factual, a auto‑ironia, a abundância de vocabulário e alusões de tipo sumido ou familiar. É justamente o excesso de realidade que confere a aura de ficção a toda a literatura de tipo memorialístico, e as memórias do problemático craque da bola de borracha e da fisga Fernando Assis Pacheco, rei dos toques de joelhos, dos picanços, dos passes de calcanhar, dos chutos em moinho e muito mais, tal como melancolicamente as conta, muitos anos depois, um outro Fernando Assis Pacheco, não escapam à regra

Manuel António Pina, Posfácio

COMPRAR na WOOK

COMPRAR na BERTRAND

Sobre o Autor:
Fernando Assis Pacheco nasceu em Coimbra, em 1937. Licenciou-se em Germânicas, escreveu na Vértice e fez teatro no TEUC e no CITAC. Entre 1961 e 1965 cumpriu serviço militar em Portugal e em Angola. Jornalista de profissão, escreveu em diversas publicações (Diário de Lisboa, República, JL, Se7e, O Jornal, Visão) e colaborou com a RTP.
Publicou uma dezena de livros de poemas e plaquetes de circulação restrita, entre os quais Cuidar dos Vivos (1963), Catalabanza, Quilolo e Volta (1972, 2.ª edição 1976), Memórias do Contencioso (1980) e Variações em Sousa(1987). Em 1991 reuniu os seus poemas em A Musa Irregular, edição da Hiena. Respiração Assistida sai em edição póstuma, em 2003. É também autor de uma novela (Walt, 1978) e de um romance picaresco (Trabalhos e Paixões de Benito Prada, 1993). Traduziu Pablo Neruda e Gabriel García Márquez. Postumamente vieram a lume livros de entrevistas e de crónicas, como as Memórias de Um Craque (2005). Morreu em Novembro de 1995, à porta de uma livraria de Lisboa.

Author: Sílvia Reis

Professora de Inglês e Alemão e tradutora é, hoje em dia, mãe a tempo inteiro e trabalhadora multi-funções em part-time. O pouco, muito pouco, tempo livre que lhe resta, é utilizado para ler. Podem segui-la no Blog O Dia da Liberdade, no facebook e no instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *