Opinião «O que Dizer das Flores» de Maria Isaac

Título: O que Dizer das Flores

Autora: Maria Isaac

Edição: Maio 2021

Páginas: 224

Editora: Cultura Editora

ISBN: 9789899039438

Sinopse

Bem-vindo a Mont-o-Ver!

Português que se ponha a caminho da montanha, no inverno, ou da praia, no verão, é certo passar por esta planície de canaviais; mais certo ainda, nem dar por ela. A velha linha férrea passa-lhe ao lado e os comboios já nem sequer abrandam por aqui. Em tanto espaço igual, esta é paisagem fácil de se perder.

Pois permitam que vos apresente os ilustres da vila.

O padre Elias Froes, o homem santo que tem por hábito gastar tempo a pensar no mundo, raramente em si próprio. Guarda segredos que mais ninguém sabe.

Catalina Barbosa, aventureira e contestatária. Menina bem-comportada apenas aos domingos, quando a avó a amordaça dentro de um vestido bonito para ir à missa.

Rosa Duque, a mulher que, em tempos, teve tudo para ser feliz. Foi vencida por um coração partido e resgatada por uma flor.

Zé Mau, o terror na vida das crianças. Os irmãos Mondego, os vilões nas histórias dos adultos.
Este vilarejo pode até ser pequeno e parado, mas está cheio de gente atrapalhada com muita vida para esconder.

Descubram comigo o que aconteceu, afinal, na noite do grande incêndio de há uma década e quem são os verdadeiros heróis desta nossa história pitoresca, temperada com os habituais mal-entendidos.

Bem-vindo a Mont-o-Ver!

COMPRAR na WOOK

COMPRAR na BERTRAND

Opinião

Começo por agradecer à Cultura Editora por ter disponibilizado um exemplar deste belíssimo livro.

Depois de ler, há cerca de um mês, Onde Cantam os Grilos da mesma autora, Maria Isaac, não sabia bem o que poderia esperar de O que Dizer das Flores. Não li a sinopse, parti para a leitura como uma tela em branco.

«(…) As flores tornam-se importantes por si mesmas e não precisavam de histórias para serem mágicas.» (p. 47)

A primeira constatação que fiz foi a quantidade de personagens que povoam este livro. Mas, nada temam, cada uma tem o seu papel bem definido e rapidamente conseguimos estabelecer o paralelo de quem é quem.

«(…) conhecia bem os olhares disfarçados, as vozes que misturavam simpatia e desdém, o requinte de julgamento que mantinha as pessoas nos respetivos lugares de acesso ao céu ou ao inferno,» (p. 119)

A escrita da autora é maravilhosa, fluida, repleta de frases bonitas. A vida naquele lugarejo está muito bem retratada com todas as suas intrigas, coscuvilhices, e, acima de tudo, as aparências tão necessárias de manter.

«Os pobres trabalhavam a terra, os ricos desfrutavam dela. A quem nascia lagartixa de pouco lhe adiantava sonhar ao estilo de jacaré.» (p. 146)

Em certos momentos, a narrativa intercala-se com a história de Onde Cantam os Grilos. Não sendo imperativo ler os livros pela ordem de publicação, recomendo vivamente que o façam, uma vez que estabelecemos a relação entre as personagens do antes e a sua evolução no agora.

«Cada virtude está no equilíbrio entre dois defeitos.» (p. 108)

Muitas das personagens deste livro vão evoluindo de tal forma durante a narrativa que poucas são aquilo que aparentavam ser inicialmente. No entanto, algumas das que reaparecem da história anterior, acabam por não ter grande utilidade nesta.

«Vidas nunca devem ser comparadas, mas os contrastes fazem-nos pensar nas escolhas e oportunidades perdidas.» (p. 139)

Uma excelente história que nos remete para as vivências das pequenas aldeias ou vilas, para as dificuldades do dia a dia dos seus habitantes, e nos oferece pequenas nuances sobre a traição, a violência doméstica e a importância de proteger a família.

«(…) os segredos são perigosos, em especial aqueles que pertencem aos outros.» (p. 99)

Boas Leituras ❤️

Author: Ana Rute Primo

Licenciada em Educação, com especialização em Pedagogia Social e da Formação, empreendedora e autodidata do mundo digital, apaixonada por livros (tanto faz que sejam em papel como em formato ebook), viciada em bibliotecas e livrarias, adora animais e a natureza, preza o silêncio e o bem-estar físico e emocional. Traz sempre a família no coração. Podem segui-la no instagram em https://www.instagram.com/anaruteprimo .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *