Opinião «O Silêncio do Mar – Lisboa Reykjavík» de Yrsa Sigurdardóttir

Título: O Silêncio do Mar / Lisboa Reykjavík

Autora: Yrsa Sigurdardóttir

Edição: Julho 2016

Tradução: Miguel Freitas da Costa

Páginas: 448

Editora: Quetzal

ISBN: 9789897226304

Sinopse

«Ægir e a família falaram com a Islândia quando o iate estava a deixar o porto em Lisboa, mas nunca mais se soube deles desde então.»

Um iate de luxo abandona o porto de Lisboa tendo como destino Reykjavík, na Islândia. Despedindo-se das temperaturas agradáveis da capital portuguesa, a bordo seguem sete pessoas que enfrentarão o frio mar daquele inverno, a caminho do norte. Porém, daí a alguns dias, quando o barco entra no porto de Reykjavík, ninguém é encontrado a bordo. O que aconteceu à tripulação e à jovem família que seguia nele ao zarpar de Lisboa? O que se teria passado em Lisboa, ou durante a viagem, que possa explicar o desaparecimento?

Este é o cenário do melhor e mais assustador romance escrito até hoje pela rainha do policial nórdico, antes publicado com o título O Silêncio do Mar — um mistério sobre a escuridão do oceano, Lisboa, a família, a fama, negócios obscuros e, como sempre, o mal e a conspiração do ódio.

COMPRAR na WOOK

COMPRAR na BERTRAND

Opinião

Não é segredo para ninguém que gosto muito da autora Yrsa Sigurdardóttir. Até à data li Cinza e Poeira, Lembro-me de Ti (talvez o meu preferido), Alguém para tomar conta de mim e agora O Silêncio do Mar, cuja reedição tem o título Lisboa Reykjavík.

Para me decidir a ler este livro só li as primeiras linhas da sinopse que, basicamente, constam do seguinte: um iate de luxo parte do porto de Lisboa com sete pessoas a bordo, entre tripulantes e passageiros, mas quando chega ao seu destino, Reiquiavique, encontra-se absolutamente vazio.

A narrativa desenrola-se, por um lado, através da investigação da advogada, Thóra, contratada pelos familiares de um dos viajantes, por outro, vamos seguindo os acontecimentos que têm lugar durante a viagem do iate e a interação com as várias personagens que seguem a bordo.

«Não sou especialmente supersticioso, mas toda essa conversa sobre uma maldição punha-me nervoso.» (Cap. 8)

Yrsa já nos vem habituando a seu estilo Nordic Noir, com muito suspense, mistério, muitas incertezas, sem que percebamos se estamos no campo do sobrenatural ou não. Só no fim tudo se encaixa e revela.

«(…) senti como se as pessoas ainda ali estivessem, como se não se tivessem capacitado de que deviam ter desaparecido.» (Cap. 5)

Gostei muito apesar de achar que o final poderia ter dado para um pouco mais, foi demasiado rápido quando comparado com o ritmo de toda a narrativa. Mas a verdade é que nada é o que parece…

«Se fossem os seus filhos, quereria o assunto fechado ou antes agarrar-se a uma esperança, talvez ao longo de toda a sua vida? (…) talvez preferisse viver com a incerteza.» (Cap. 10)

Espero que a nova edição tenha tido a oportunidade de ser revista, uma vez que a revisão da edição digital carece de muitas melhorias.

Boas Leituras ❤️

Author: Ana Rute Primo

Licenciada em Educação, com especialização em Pedagogia Social e da Formação, empreendedora e autodidata do mundo digital, apaixonada por livros (tanto faz que sejam em papel como em formato ebook), viciada em bibliotecas e livrarias, adora animais e a natureza, preza o silêncio e o bem-estar físico e emocional. Traz sempre a família no coração. Podem segui-la no instagram em https://www.instagram.com/anaruteprimo .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *