“Um Tambor Diferente” de William Melvin Kelley

Um clássico. Um autor esquecido e um pioneiro. Uma história de coragem, de independência – e um emblema da luta pela dignidade humana. Um romance com sessenta anos que, devido aos conflitos raciais na América e um pouco por todo o mundo, é mais atual do que nunca.

Quando foi publicado em 1962, o livro de estreia do afroamericano William Melvin Kelley caiu como um raio na cena literária de então. O jovem de 24 anos foi comparado a William Faulkner, Isaac Bashevis Singer e James Baldwin – e o The New York Times considerou-o um dos autores negros mais talentosos da sua geração.

Sinopse

Um dia, Tucker Caliban, descendente de um lendário escravo rebelde, abandona simplesmente as suas terras – não sem antes salgar os campos, abater o cavalo e a vaca e incendiar a própria casa. Parte para o Norte, com a mulher grávida e o filho pequeno, dando, com este gesto, origem a um inesperado êxodo de toda a população negra do estado. Este episódio de desobediência não violenta – que decorre num estado segregado (ficcional) do Sul dos Estados Unidos no fim dos anos 50 – é contado pelas testemunhas brancas, totalmente estupefactas e impotentes.

A trama constrói-se em torno da história dos Willsons, um clã de proprietários de escravos no passado, cujo último herdeiro, David Willson, vendeu uma parcela da antiga plantação ao criado, Tucker Caliban: ou seja, as terras em que os pais e avós deste viveram em escravidão.

Publicado pela primeira vez em 1962 e redescoberto em 2018, o icónico romance que William Melvin Kelley escreveu com apenas vinte e quatro anos catapultou o seu autor para a galeria dos grandes clássicos americanos. A revista The New Yorker referiu-se-lhe como «o gigante perdido da literatura americana».

Sobre o Autor

Nascido em Nova Iorque em 1937, William Melvin Kelley foi um escritor afroamericano que ficou conhecido pelas suas explorações satíricas das relações rácicas na América. Melvin Kelley foi membro do Black Arts Movement, e entrou oficialmente para o Oxford English Dictionary, em 2014, por ter cunhado o termo político «woke» (em português, algo como «acordado», «desperto»). Romancista e contista, autor de Dunfords Travels Everywheres e Dancers on the Shore, entre outros títulos, foi professor de escrita criativa em várias universidades americanas. Viveu em Paris, Roma e na Jamaica. Em 2008 recebeu o Prémio Anisfield-Wolf Book Award for Lifetime Achievement. O seu primeiro romance, que agora se publica em Portugal com o título Um Tambor Diferente, está a ser traduzido e reeditado em todo o mundo. William Melvin Kelley morreu em fevereiro de 2017, em Nova Iorque.

Nas livrarias pela a 14 de janeiro pela Quetzal.

COMPRAR

Boas Leituras ❤️

Author: Ana Rute Primo

Licenciada em Educação, com especialização em Pedagogia Social e da Formação, empreendedora e autodidata do mundo digital, apaixonada por livros (tanto faz que sejam em papel como em formato ebook), viciada em bibliotecas e livrarias, adora animais e a natureza, preza o silêncio e o bem-estar físico e emocional. Traz sempre a família no coração. Podem segui-la no instagram em https://www.instagram.com/anaruteprimo .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *